Responsabilidade pessoal e profissional sobre o que falamos

É essencial que tenhamos consciência e permanente controle sobre tudo aquilo que dizemos, tanto na vida pessoal, como na atividade profissional.

Pois bem, usamos palavras o tempo todo e nem sempre pensamos no que dizemos e como falamos. Ela tanto pode aproximar como afastar, tanto pode oprimir como libertar, tanto pode promover a vida como matar.

Determina palavra dita em determinado contexto, pode matar a pessoa a quem está sendo dirigida, os sonhos dela, suas aspirações, seu futuro, sua vida.

Tudo o que dizemos repercute positiva ou negativamente. Somos responsáveis pelas afirmações ou negações que proferimos. No livro de provérbios está escrito ‘A linguagem humana é profunda como o mar, e as palavras dos sábios são como os rios que nunca secam’.

Ainda no mesmo livro ‘O lábio da verdade permanece para sempre, mas a língua da falsidade, dura por um só momento’. Os recursos usados para fins de prova judicial como a escuta telefônica, gravações de voz secreta estão atestam a amplitude do poder exatidão da identificação do indivíduo pela voz.

Sim, a voz é a plena manifestação do ser e a que mais intensamente expõe da sua alma, de as suas particularidades. Por isso acreditamos que entre outras razões, este seja um dos motivos das pesquisas revelarem que o maior medo da maioria das pessoas é de falar em público, superando o medo de altura.

Uma pesquisa feita pelo jornal inglês Sun Day Times com três mil americanos questionou qual o seu pior medo. Ao todo, 41% disseram que era falar em público e 32% têm mais medo de altura.

Para agendar: VOICE DESIGN / Economia da Oralidade /Design da Oralidade
+55  (41) 99111-5151
jorgecuryneto@voicedesign.org