Instituto

O Voice Design Institute tem missão de planejar, desenvolver, organizar, elaborar, fomentar, promover e divulgar pesquisas e estudos científicos e acadêmicos, com a visão de difundir esta área do conhecimento e implementar formação profissional, eventos e atividades sobre o complexo de atributos da oralidade para fins comunicacionais, compreendo também os objetivos de:

  • capacitar docentes, profissionais, estudantes e trabalhadores de empresas e de instituições a praticarem os pressupostos do voice design, visando a conscientização plena do processo comunicacional da fonação e da audição, proporcionando qualificação profissional;
  • colaborar com outras instituições promotoras de atividade que envolvam voice design;
  • promover e realizar projetos em intercâmbio com universidades ou outras instituições no Brasil ou no exterior;
  • promover cursos e premiar trabalhos e teses, dentro de projetos que venham a colaborar para incentivar aspectos da educação, da comunicação, da tecnologia, da cultura e da área da saúde;
  • promover a inclusão social por meio de projetos direcionados ou de apoio a outros já existentes;
  • organizar ou apoiar a organização de congressos, cursos, feiras, workshops, seminários e exposições que visem difundir o voice design e que cumpram os objetivos do Voice Design Institute;
  • estabelecer contratos com grupos de comunicação social com o propósito de produzir e  exibir programas educativos, culturais, etc., bem como com empresas de produção de áudio, audiovisual e  gráfica, para reproduzir, em qualquer tipo de suporte, os materiais provenientes das  tarefas executadas;
  • firmar convênios e parcerias com o poder público, com o objetivo de promover e executar as finalidades do Voice Design Instituto.

A justificativa para a formulação do voice design apresentada pelo pesquisador  Jorge Cury Neto está na frequente constatação de estudiosos de notório reconhecimento, tais como: Ciro Marcondes Filho, Luis Antonio Marcuschi, Leny Kyrillos, Jerusa Pires, Andrea Filatro, Walter Jackson Ong, Augusto Jorge Cury, entre outros, sobre a escassez com que são tratadas as áreas voltadas a oralidade e as que orbitam entorno dela. Diversos trabalhos acadêmicos diagnosticam a superficialidade do ensino organizado e estruturado da oralidade, como emblematicamente atesta uma afirmação de linguística Luiz Antonio Marcuschi (1997) que ‘A fala é uma atividade muito mais central do que a escrita no dia a dia da maioria das pessoas. Contudo, as instituições escolares dão à fala atenção quase inversa à sua centralidade na relação com a escrita. Crucial neste caso é que não se trata de uma contradição, mas de uma postura’. Daí a necessidade do surgimento do instituto, segundo Cury, dedicado a esta área do conhecimento, que centralize e abrigue una pesquisas e estudos envolvendo numa abordagem multidisciplinar as várias ciências, entre as quais, a semiótica, linguística, neurolinguística, antropologia, , filosofia, fonoaudiologia, fisiologia, acústica, música, psicanálise, hipnose, dublagem, storytelling, entre outras, capaz de identificar as convergências e adequações das características, dos elementos, das funcionalidades, das aplicações da comunicação verbal e os vários aspectos cognitivos lógicos e estéticos da audição humana. O crescimento e desenvolvimento do voice design, desde o início das pesquisas e estudos em agosto de 2008, se deu pelos resultados alcançados com realização de palestras, workshops, cursos e treinamentos, a exemplo da participação no Educar/Educador 2013, entre os dias 22 a 25 de maio em São Paulo. Na ocasião foi proferida palestra sobre o tema, além da realização de dez rodas de conversas com professores de diversas partes do país no estande de duas instituições educacionais – o SEFE e Sem Fronteiras e ainda mais com a aprovação de um trabalho científico pela comissão de análise e avaliação da ABED – Associação Brasileira de Educação a Distância, sob o título, “Voice design, o poder da palavra falada aplicada” que foi apresentado durante o 19º Congresso Internacional de Educação a Distância, entre os dias 9 e 12 de setembro de 2013 em Salvador, introduziu oficialmente esta nova área do conhecimento no meio acadêmico e científico, o que segundo Cury, deu legitimidade para a criação do Voice Design Institute.

Destacamos os profissionais  que estão contribuindo para a formação de uma massa crítica  que baliza o Voice Design Institute, tais como: Adriano Mendonça Vieira, Alceu Roberto Braga Junior, Alessandra Smaniotto Cury, Alexandre Salvador, Aline Furukita, Amanda Melo, Ana Paula Leite de Camargo, Andrea Correa Silva, Andrea Filatro,  Antonio Borges dos Reis, Antonio Carlos Bellio, Armando Kolbe Junior, Carlos Barbosa, Carlos Flesch, Carlos Macher, Carlos Maluly, Carlos Vicente Gomes, Caroline Smaniotto Cury Braga, Ciro Marcontes Filho, Ciro Pedroza, Cleuton Carrijo, Danielle Sales, Dorival De Stefani,  Duarte Menezes, Ednar Rafaela Mieko Shimohigashi, Eduardo Costa, Eduardo Manoel Araújo, Elaine Basqueroto, Eliane Briones Borges, Eliane Justi, Elisangela Monaco, Eloi Zanetti, Everaldo Andrade,Fabio Cicone, Fabio Sanchez, Fabio Silvestre Chedid, Fernando Botto, Gabiela Duarte, Glaucia de Salles Ferro, Guilherme Piazzetta, Gustavo Adolpho Leal Brandão, Iridio Moura, Irídio Moura Filho, Jô Furlan, João Mattar, Jorge Cury Neto, José Julberto Meira Junior, Joubert Amaral, Judas Tadeu Grassi Mendes, Judas Tadeu Grassi Mendes Junior, Kelli Cas Smythe, Leonardo Raduy Lemos, Leny Kyrillos, Lincoln Seragini, Luciane Botto, Luis Renato Pedroso, Luiz Augusto Prieto Thomaz, Luiz Gustavo Schmoekel, Nilton Carias de Oliveira, Marcia Maria Alves, Maria Helena de Azevedo, Mariana Asdourian, Mariana Monfort, Mário Antonio Kanno, Monica Moura, Pedro Salanek Filho, Rafael Braga, Silvia Campos Ferreira, Tarás Dilay, Valquiza Ribas Castro Vieira e Wesley Carvalho.