Consultor ministra curso sobre o poder da palavra falada na era digital na Copel

Copel Telecom implementa gestão participativa

Dentro da programação de implementação um sistema de gestão participativa, a Copel Telecomunicações promoveu um curso sobre o tema ‘O Poder da Palavra Falada na Era Digital’ ministrado pelo CEO da Webcombrasil, Jorge Cury Neto.
Chamado de “Projeto Y”, o objetivo é integrar toda a equipe, engajando-a na construção do que se espera que a Copel Telecomunicações venha a ser nos próximos 10 anos.
“O projeto é constituído por algumas palestras e uma série de oficinas realizadas com os empregados, através das quais o novo Plano Diretor é discutido e sugestões para sua melhoria são coletadas”, explica Marcos Pessoa, Superintendente de Telecomunicações da Copel, que complementa: “queremos aproveitar todas as sugestões e contribuições viáveis”.
O consultor enfatizou que, apesar da inegável importância da escrita, é essencial que se tenha consciência da amplitude que a palavra falada tem na vida pessoal e profissional, pela grande capacidade que ela possui de transmitir o exato sentimento do que se quer comunicar.
“A palavra falada é mais fácil de ser compreendida, além humanizar o relacionamento entre as pessoas envolvidas, o que é uma das tônicas da atual administração nas organizações”, afirmou Cury.
Ao invés de uma palestra nos moldes tradicionais, o consultor propôs abrir um diálogo sobre o tema. À medida que apresentava os conteúdos e ministrava dinâmicas de grupo, os participantes interagiram com seus comentários e opiniões, contribuindo qualitativamente com o debate.
Para William Lopes de Oliveira, Gerente de Gestão e Planejamento da Copel Telecomunicações está foi uma excelente oportunidade de reflexão sobre a relevância do uso da palavra falada na comunicação interpessoal e intrapessoal, principalmente aplicada no ambiente da organização”.

Os participantes contribuiram com suas opiniões sobre o tema:

Wesley de Souza Carvalho: “Qualquer meio digital de comunicação, seja TV, internet, qualquer coisa, não vai substituir a palavra falada; ela está intrinsecamente ligada ao homem. É a forma mais natural de expressar o que você quer. Dependendo de quem a usa e da forma que a usa, vai ser muito mais persuasiva. A palavra falada é muitas vezes insubstituível”.
Jonas Kozelinski: “A palavra falada é um meio excelente de transmitir idéias, pensamentos, conhecimentos e uma das funções dela é aproximar pessoas”.
Fernando Villa Coimbra Campos: “A boa comunicação consiste em buscar uma convergência, que tem que estar relacionada a uma interatividade. A comunicação pela palavra falada refere-se ao diálogo e para que ela aconteça eficientemente deve existir uma sintonia entre os interlocutores. Tem que haver confiança para que exista uma relação, e para que haja uma comunicação efetiva. Resumindo, ela tem o elemento da interação, baseado do diálogo e na confiança”.
Aloivo Bringel Guerra Junior: “Comunicação é a arte de se fazer entender e conseguir levar o outro a uma mensagem comum. Os meios tecnológicos de hoje, particularmente os de telecomunicações, precisam facilitar a comunicação falada, pois ela constrói relacionamentos de maneira mais fácil”.
Marcos Miguel Ferigotti: “A comunicação falada tem um peso maior pelo fato dela estar associada a uma emoção, e esta emoção é muito melhor transmitida quando você ouve alguém falando do que, por exemplo, escrevendo uma mensagem. No meio corporativo, você pode fazer o melhor e-mail do mundo, tomando cuidado com todas as palavras, todos os detalhes, as vírgulas, os acentos, acreditando que quem lerá esta mensagem vai entender exatamente o que se quer dizer, mas, no final, não acontece isso, pois os sentimentos não são transmitidos como deveriam. Por outro lado, se você conversar diretamente com a pessoa, os resultados costumam ser muito melhores, pois a palavra falada passa-se a emoção sobre aquilo que está sendo contextualizado. Deste modo, a palavra falada passa a ser essencial para o que a atual gestão da área de Telecomunicações da empresa espera: que sejam alcançados os melhores resultados empresariais, mas sempre de uma maneira humana, promovendo-se o bom relacionamento entre os empregados e também com os nossos clientes e fornecedores”.
Ricardo Dória: “Sobre a importância da palavra falada, é fato: nós fizemos uma pesquisa qualitativa aqui na área de Marketing da Copel, sobre a acessibilidade com deficiência auditivos e visuais, sendo que se investigou qual é o grupo que teria mais dificuldade em acessar a Copel (quem não enxerga, quem não ouve ou quem não fala), e a resposta foi quem não ouve! Por que quem não ouve, não consegue construir a verbalização, então tem muito mais dificuldade de se comunicar com a empresa, do que o cego e o mudo. A Copel Telecom está de parabéns por esse projeto que está desenvolvendo, sendo que estamos muito felizes de podermos, pela área de Marketing, estar participando do mesmo”.
Viviane Furlan: “A palavra falada é muito importante, mas também pode ser perigosa. O que você diz, e como você diz, tem normalmente um grande impacto nas pessoas. Assim, temos que estar cientes e bem atentos com aquilo que falamos, para que o resultado seja positivo, para nós e para a empresa. Deste modo, penso que esta é uma oportunidade importante para refletirmos sobre um tema tão importante, principalmente para nós da Telecom, que lidamos diretamente com o público”.
Clique e ouça as enquetes com os participantes do workshop:
Andressa Kiniê
Bruno Pedrone
Ediney Yamaguchi
Fernando Vila Coimbra Campos
Gilmar Alfredo Ribas
Jeferson Solet
Ledo Henrique Martins Maciel
Lucas Alexandre Krause
Luis Fernando Kecher
Luiz Vilar
Marcelo Marcos Gabardo
Marcelo Rocha
Marcelo Yamada
Marcos Miguel Ferigotti
Marcus Paulo Chianazzi
Para agendar: Voice design ‘A ciência da palavra falada aplicada’
+55  (41) 3352-4000
+55  (41) 9111-5151
jorgecuryneto@voicedesigninstitute.com